A promoção da leitura na sala de aula | Mario Crespo, bibliotecário e escritor, reflete sobre a promoção da leitura

Responder
jorge.borges
Mensagens: 13
Registado: quinta set 09, 2021 11:29 pm

A promoção da leitura na sala de aula | Mario Crespo, bibliotecário e escritor, reflete sobre a promoção da leitura

Mensagem por jorge.borges »

Um artigo [https://elpais.com/educacion/2022-03-13 ... atura.html] publicado no El País em 13 de março e baseado no estudo ' Juventude e leitura' [https://fundaciongsr.org/wp-content/upl ... ectura.pdf] , da Fundação Germán Sánchez Ruiperez , abriu o debate —que, porém, não é novo— sobre a leitura na adolescência, gerando entre a comunidade educativa e profissionais do setor do livro, entre escritores, jornalistas, leitores e pensionistas, milhares de tweets, status no Facebook e conversas iradas que giram em torno de um mesmo assunto.

Como sempre quando se estabelece um debate educacional, encontramos todo o tipo de posicionamento: os que concordam com a abordagem do artigo e pedem leituras mais acessíveis e métodos alternativos, os que dizem que para ler má literatura é melhor não ler, aqueles que pensam que a culpa é dos smartphones e tablets, videogames e Netflix, e também aqueles que veem no debate que a subjetividade do seu background oprime as soluções hipotéticas para o problema.

E todas elas, sem serem excludentes, têm a sua parte de razão e sua percentagem de verdade. No entanto, quando tratamos desse tema, quase sempre é ignorada uma questão que, a meu ver, não é trivial: educação literária não é o mesmo que promoção da leitura. Ou seja, a palavra literatura confunde-se com demasiada facilidade com a palavra leitura, quando, na realidade, a leitura é o hábito que indica o caminho para a literatura. Ou, dito de outra forma: todos nós lemos, lemos muito, lemos diariamente (cartazes, notícias, mensagens), mas a literatura não faz parte da vida de todos. De facto, o estudo da Fundación Sánchez Ruiperez inclui um gráfico que mostra que os jovens passam o seu tempo de lazer a ler, embora não necessariamente a ler livros(blogs, redes sociais, jornais e quadradinhos).

A promoção da leitura é considerada uma ferramenta fundamental para o exercício do direito à educação e à cultura no quadro da sociedade da informação. O Plano de Promoção da Leitura 2021-2024, do Ministério da Cultura e Desportos “reivindica a leitura como uma espinha dorsal para além de um mero passatempo”. Mas quando o plano de promoção incide na área académica, acaba por depender dos centros educativos e dos respetivos recursos. Por outras palavras; é muito difícil implementar um plano de promoção da leitura sem uma biblioteca escolar em boas condições e sem um orçamento decente para isso.

O Real Decreto 582/1989 excluiu as bibliotecas escolares do Sistema de Bibliotecas Espanhol. E, embora a Lei 10/2007 sobre leitura, livros e bibliotecas tenha modificado o plano ao decretar que uma biblioteca escolar deve ter recursos para a compreensão leitora e o desempenho académico dos alunos, as nossas bibliotecas escolares ainda estão anos luz das da Austrália, Estados Unidos ou Grã-Bretanha.

As bibliotecas dos centros espanhóis existem, têm fundos e atividade, e permitem o uso e fruição das suas coleções por pais e alunos, mas carecem de uma estrutura profissional. Na verdade, são geralmente pequenas salas que abrem uma ou duas vezes por semana e servem sobretudo como livraria, uma vez que o seu principal objetivo é apoiar o desenvolvimento do currículo académico e, portanto, não funcionam como centros de empréstimo. realizam programas sólidos de promoção da leitura, nem têm um cronograma de atividades semanais. Nelas, os recursos são escassos, os postos de leitura escassos e a catalogação e recuperação da informação é básica, analógica ou mesmo inexistente.

No polo oposto encontramos os de países como os Estados Unidos, onde são parte fundamental das escolas e funcionam como seu coração. Para os alunos, a biblioteca é apenas mais um assunto, parte do programa educacional e da agenda semanal. A biblioteca é, em outras palavras, como uma aula de música ou educação física; algumas horas por semana que, individual ou coletivamente, são dedicadas à promoção da leitura. Por outro lado, na biblioteca os alunos são treinados para serem autónomos na busca dos seus próprios recursos, para que se possam tornar futuros pesquisadores.

Com base na minha experiência no campo das bibliotecas escolares norte-americanas, posso afirmar que o prazer de ler é trabalhado e desenvolvido desde o ensino básico; a semente da leitura é plantada para que, embora a árvore pare de crescer durante o ensino secundário por questões de tempo, idade e ritmo de vida, possa continuar a dar frutos depois. Isso não garante um certo sucesso, mas garante uma metodologia mais realista e eficiente.

Por exemplo, para uma criança que se recusa a ler e que, como afirma o mencionado estudo da Fundação Sánchez Ruiperez, pensa que "a leitura o isola" e que, em última análise, não encontra nenhum prazer nela, a biblioteca escolar serve como reforço para a consolidação do hábito da leitura por meio de temas relacionados e estratégias alternativas. Se este aluno gosta de futebol, ele é incentivado a emprestar revistas e livros de futebol. Após esse primeiro passo, esse jovem poderá dar o salto para leituras mais complexas que exigem maior compreensão leitora.

Se queremos que os alunos leiam, primeiro devemos fazê-los gostar de ler; Não se trata de oferecer-lhes livros, mas de proporcionar-lhes experiências de leitura, fazendo-os desfrutar, desde muito cedo, da leitura como atividade lúdica e intelectual. E para isso precisamos de infraestrutura e investimento.
[[Tradução livre com adaptações]
Visto aqui: https://www.lamarea.com/2022/03/22/el-f ... las-aulas/
livros.jpeg
livros.jpeg (29.61 KiB) Visto 89001 vezes
Responder